Lançamento da Antologia Poética "Amante das Leituras"

Para comentar: clicar em view all images.

terça-feira, 15 de maio de 2007

"O choro é uma emoção transbordante onde só lavo os olhos"

de Francisco Coimbra, in "Sublimação"


1

… são vagas que brotam dos olhos,
ondas que resfolegam nas praias,
maresias que se espalham pelos ares
são sons, são seres nos mares

… esbracejam ofegantes
na imensidão dos sentires,
soçobram exaustos, como antes,
vencidos nas dores dos porvires,
cáusticos, medonhos,

tenebrosos… são sonhos,
pesadelos que assombram
teus choros
transbordantes que lavam teus olhos,
são emoções agitadas nos escuros,
são corpos esbeltos e… puros!!!...

2

uma emoção transbordante

na liberdade bêbeda
- um pássaro


solto

nas palavras


com vertigem viva - voo.!.



a imaginação sem margens

a amar o Universo

a desenhar


o limite da viajem

o horizonte


ao percorrer um verso vivo


ave n_as as_as as_saltando

a realidade numa

agitação


semelhante ao leite

alimentando


vida duma criança sôfrega!


3

por isso ainda não falo, este silêncio
que faz as costas, não querer arrancar
as vinhas do silêncio, desejo de abraçar
as uvas em letras brancas de um choro

a linguagem do vinho, um pouco depois
lavo os olhos nele


4

Não arrefece esta mistura de dores
em estado de fusão
Há maneiras de sentir
que nunca cristalizam
E o choro não lava a dor. Apenas os olhos.


5

brota da noite como água de nascente

virada choro em que se lavam os olhos
como o orvalho que escorre na folha

nunca guardadora de emoções

transborda do copo, sem corpo
um cortejo líquido que tudo revela


6

… gotícula que tenta cair pelo canto do olho,
sensação de tristeza imensa que assola,
humidificação dum órgão que é janela,
persiana aberta que cerra,
parpadeante,
teimando em apreciar o que avalia,
recorda,

acorda gigante que se eleva,
inquebrantável,
gélido cume que acumula alvuras,
insustentável,
avalancha que se inicia com estrondo,
estampido,
jorro continuado que se avoluma,
rola pela encosta aos borbotões,
lava males de alma, corpo que sente,
cúmulo dum sofrimento que acolhe,
sem controle,

espasmos que contraem rosto,
copiosos,
êxtases que nos confundem,
contornam,
envolvência que nos conduz,
chorosos,
euforias inebriantes,
lágrimas se soltam,
lavando sujidades já vistas,
depreciando, aliviando,
transbordando,
ridentes,
são torrentes cristalinas,
pura concretização de alegria incontida,
pedacinhos de vidas,

vale da amargura que se forma,
éden encantado que dispomos,
somos como fomos,
tristezas, alegrias, sonhos,
águas mansas que se juntam,
alegrias sucessivas,
depressões,
calmaria que se estende,
acumula,
coração que chora, pula,
janelas em que assomam lágrimas
gélidas de sofrer,
tépidas de prazer,
emoções!!!...


7

magoa-me sim! magoa-me.

ver

soltarem-se dos teus olhos

pérolas salgadas.

tão nítidas

tão silenciosas

na ausência do amor

na presença da dor

( acto, gesto, palavra, perda )

e um oceano de pérolas

transborda de dentro de ti.


quem és? quem sou ? : - não importa !

o importante é:

saberes eu estar entre ti e ti

unidos pela energia Superior do Universo

nesta viagem de empréstimo

em progresso retrocesso

retrocesso progresso

e que...

lavo os teus olhos nos meus.



8

Secaram os olhos como as fontes

as fontes secas não saciam sedes de gentes

e as lágrimas ausentes não lavam dores e cansaço

Somente as emoções transbordantes do choro

onde lavo os olhos como em fontes de águas

permitem que a ternura disfarçada do abraço

apague incêndios apertados na garganta

ainda que ateados com cebolas e cloro.


9

Claros são esses olhos

Brilhando nos meus

Incendeiam emoções

Neste peito ofegante

Surdo choro remanesce

Na túmida comoção

De terno instante

Brama do que cresce

Diáfano mito e visão

Transbordante onde só

Lavor pode rimar com o amor

Expensas da percepção

Claro por esses olhos

Corre um fio de prata

Aurificado como flor

Na manhã clara de nevoeiro

Quando do leito partes

E ficas no doce cheiro

Onde só lavo os olhos


10

quero um simples cotidiano,
nada de acordes inimaginados.
por favor, não me deixes sem ti
num arranjo jazzístico que arrepia
e causa desejo de improvisar,
numa aventura de corpos e almas
que se experimentam e se buscam.

que silenciem todas as emoções
quando partires, e seja o choro
um meio de umedecer a alma.


11

Abandona os olhos ao orvalho e o corpo à planície

Descobre o sol e não lhe escondas o corpo, despido

o dia move-se pétala sobre a noite ainda viva, toca-a

no banho do transbordo do rol frio e morno e

doa o choro à margem da vida


12

O Sentimento
lenta e suavemente
transborda dos olhos
fertilizando a superfície branca
por onde brota
choro e desabafo.

13

Caem pedras sobre o rosto.
Nacos a desfazer-se
Sem mais dor que acrescente.
Gatos assanhados
Rasgam as unhas.
Mudos
Na escura privacidade
das palmas das mãos.
O mundo rebenta por dentro.
O desejo do todo
Enche-se das ânsias do vazio.
Apenas vagas.
Surdas de silêncio
Transbordam
Em nadas
Onde ninguém as entende.
Só as estrelas se emocionam.
Nascem expontâneas.
Em pratas e águas
Caravelas de céu que vejo
Na dança do mar
Onde os olhos lavo de vermelho.

14

as pedras dormem, encantadas
pelo corpo imaginário
de voz ausente, vê vagas alheias.
o que não se fala não se escuta,
talvez a linguagem tenha exagerado
no silêncio, envolta num cuidado
demasiado, sem sons.

o choro vermelho sobe ao céu,
ferido de granizo.
as lágrimas evaporam
e das nuvens retornam,
chuva cristalina.

as estrelas se emocionam,
contemplam de longe, sorriem
fora do ciclo.


15

aguaceiro inunda,
esgrima na esquina da alma.
no tempo certo,
transborda no ralo dos olhos.

água demais ou de menos mata.
na dose certa hidrata.


16

Nos meus olhos

sempre fechados

dizias:

"consigo ver para além

do mar que separa a ilha

do continente."



E eu silenciei-me...

Indíce de Autores:

01- Manuel Xarepe
02 - Francisco Coimbra
03 - José Gil
04 - Maria João
05 - Sónia Regina
06 -Manuel Xarepe
07 - Teresa Gonçalves
08 - Bernardete Costa
09 - Luís Monteiro da Cunha
10 - Sónia Regina
11 - Ana Maria Costa
12 - Denilson Neves
13 - Carlos Luanda
14 - Sónia Regina
15 - Rogério Santos
16 - Filipa Rodrigues

5 comentários:

ana maria costa disse...

Parabéns Filipa pelo excelente trabalho.

Limeira disse...

Olá! Vou linkar este Blog lindo em nosso blog da Oficina Literária. Saludos & Parabéns. Maria José Limeira.

ana maria costa disse...

quando estive aqui não deixei os parabéns ao moderador do "Desafio" da semana.

Deixo hoje! Parabéns Luis pelo sucesso desta actividade da nossa lista que cada vez mais se esmera pela qualidade poética.

Obrigado Maria pelo Link na tua linda lista e jinhos a todos

Luís Monteiro da Cunha disse...

Os meus parabéns às duas amigas,
pela criação deste blog, complemento e montra do que se escreve e debate, realçando, a lista de discussão "Amante das Leituras".

Obrigada a todos por me fazerem crescer, todos os sentidos, humanos e profanos.

jinhos
lmc

Anônimo disse...

Obrigado por Blog intiresny